015 – A diferença entre crer e saber

Posted on 17 de junho de 2010

1


Ontem recebi um email com uma pergunta interessante e acho que esse email pode ser usado exclusivamente para esse tema.
 
Pergunta: Como você sabe que também não está sendo vítima de obsessão/fanatismo ou fantasiando em cima de uma história com a qual você se familiarizou?
 
Eu mesma me faço essa pergunta de vez em quando. E se eu estiver criando na minha mente uma realidade baseada em histórias que alguns loucos estão contando por aí? Acho que é a pergunta que todo ser humano deveria se fazer agora. Será que estamos construindo nossas verdades a partir unicamente do que nos contam? E se o meu pastor, ou o padre da minha igreja, ou o presidente, ou o professor da universidade, ou a NASA, ou o Jornal Nacional não estiverem falando a verdade? Será que eles conhecem mesmo a verdade, ou eles estão nos repetindo histórias baseadas em histórias que contaram pra eles? Por que temos tanta certeza de que o que vemos nos jornais ou no noticiário é o que está realmente acontecendo? Só porque é assim que funciona desde que nascemos? Mas alguém já questionou isso?
 
Enfim, acho que é essa a diferença de um fanático para um pesquisador. Quando percebi que as histórias que nos contam podem ser incompletas ou até mesmo mentiras completas, passei a questionar tudo o que me é apresentado; passei a correr atrás de comprovação. Passei a pesquisar em várias fontes, ver cada tema sob pontos de vistas diferentes, ver o que cada religião fala sobre determinado assunto. Um fanático simplesmente se apega a uma ideia preconcebida e cria a base da sua realidade pessoal em cima dessa ideia. Um real pesquisador monta a sua própria ideia a partir do que ele comprova ser real, após garimpar em vários terrenos. E é justamente o fato de não se prender a uma ideia preconcebida que abre a possibilidade de descobrirmos que aquela ideia é falsa.
 
Não é sensato um membro de uma linha religiosa negar as verdades propostas por outra linha sem que ele experimente e estude essa outra linha. A dica é questionar tudo o que essas entidades “superconfiáveis” nos contam e sair em busca de outros pontos de vista. Agindo assim, inevitavelmente a nossa mente se abre e descobre coisas que estavam mal contadas. Quando começamos a reunir uma quantidade grande de informações de várias fontes onde muitas peças dão suporte a outras, algumas verdades passam a ser irrevogáveis. Passamos a SABER as coisas, e não apenas CRER nelas.
 
Pergunte a si mesmo como você descobriu que Papai Noel não existe. Você não acreditava piamente na existência dele quando criança? Sim. E por quê? Porque você nunca questionou, afinal essa informação vinha provavelmente de fontes muito seguras: seus pais, a televisão, etc. Eles nunca mentiriram pra você, certo? Até que um dia um amiguinho da escola te fala que Papai Noel é uma fantasia. Você não acredita no seu amiguinho e o ridiculariza, pois por vários anos você comprovou que alguém deixava presentes pra você no dia 25/12 e toda a sua família dizia que era o Papai Noel. Mas quando seu irmão mais velho te fala a mesma coisa, você começa a ficar intrigado. Um dia, com mais maturidade, você decide prestar mais atenção e questionar alguns fatos. Como o Papai Noel pode ter deixado os presentes na sua casa se ele estava naquele mesmo momento passando na TVRecord? Como ele conseguiria deixar tantos presentes pra tantas pessoas num mesmo dia? Como o Papai Noel do ano passado pode parecer tanto com o titio? E até que… “Boom”! Saindo do estado de alienação e passando a prestar atenção em detalhes, você descobre toda a verdade! Descobre que o que era uma verdade inabalável, não era verdade.
 
Pois eu posso contar isso pra vocês: muita coisa que estão nos contando nos jornais, revistas e noticiários, não é verdade. Eles fazem o papel dos nossos pais com relação ao papai noel, mas com intenções maliciosas. Muito do que a NASA nos conta, não é verdade. Muita coisa que o governo nos conta, não é verdade! Não estou afirmando que o William Bonner ou o Lula são grandes atores mentirosos, mas muitas vezes eles mesmos não sabem que o que eles estão passando pra frente são informações criadas com um propósito específico de nos manter alienados. E não adianta esperar que algum noticiário ou site de noticias descubra algo e nos conte uma história diferente. Pois eles são a principal ferramenta dos grupos que querem que continuemos a acreditar no que eles contam.
 
Amigos, não acreditem no que eu estou dizendo. Corram atrás das comprovações. Se você ouvir de mim que ETs existem, e começar a procurar comprovações, e achar centenas de depoimentos em vídeo de ex-aviadores, ex-militares, ex-cientistas, ex-NASA, que mesmo sob ameaças não conseguem mais manter a promessa de silêncio sobre o assunto, aliados a estudos dos ufólogos sérios, aliados a canalizadores que doam a vida pelo despertamento das pessoas, você vai começar a acordar, mesmo que a NASA até hoje divulgue que não sabe nada sobre vida inteligente fora da Terra. O mesmo vale pra outras histórias como a farsa da gripe suína, o 11 de setembro, as guerras forjadas, etc.
 
O cômodo é continuar nesse estado de hibernação, pois assim ninguém vai rir de você ou te condenar por ser diferente. Mas assim você está fechado na mentalidade de rebanho, e você está se conformando ao que os outros dizem que você deveria ser, fazer e acreditar. Mas o ano de 2010 é o ano em que milhões estão deixando de ser marionetes e acordando para essas realidades. Precisamos descobrir que a energia livre do petróleo existe a décadas; que não precisamos ter medo de um Deus de ira; que várias guerras, atentados e epidemias são forjados para fins capitalistas; que vários filmes e seriados de ficção são lançados manterem o medo que temos de extraterrestres. Enfim, precisamos ficar imunes às ferramentas de indução do medo; imunes da dependência de instituições que acreditamos ser nossas protetoras.
 
Para esse tema, gosto muito do trabalho de David Icke, que tem inúmeros vídeos no youtube (muitos deles legendados). É uma pesquisa indispensável para todos, mas não deve ser transformada num foco de revolta. Após descobrirmos tudo o que é mentira, devemos simplesmente correr atrás do que é a verdade, e nela encontrarmos conforto e otimismo que essa verdade indubitavelmente traz. Através de um despertar coletivo e uma consequente queda dos sistemas de controle, virá a grande transformação da nossa sociedade.
 
Não devo voltar nesse assunto (teorias da conspiração) nos meus emails, pois é um assunto pesado que deve apenas ser conhecido, mas não merece o foco da nossa atenção.
 
Até a próxima,
Maria Bianca
Anúncios
Posted in: Textos